terça-feira, 17 de fevereiro de 2009

O Prelado de Mário Crespo



"Duas propostas que em comum têm a ausência de vida. A união desejada por Sócrates, por muitas voltas que se lhe dê, é biologicamente estéril. A eutanásia preconizada por Almeida Santos é uma proposta de morte."
"Sócrates e Santos não querem discutir meios de cuidar da vida (que era o que se impunha nesta crise). Propõem a ausência de vida num lado e processos de acabar com ela noutro. Assustador, este Mundo politicamente correcto, mas vazio de existência, que o presidente e o secretário-geral do Partido Socialista querem pôr à consideração de Portugal. Um sombrio universo em que se destrói a identidade específica do único mecanismo na sociedade organizada que protege a procriação, e se institui a legalidade da destruição da vida...."

Afinal de contas o ódio de estimação que Mário Crespo têm pelo PS apenas é superado pela sua evidente afinidade pelas causas da Opus-Dei!

5 comentários:

António de Almeida disse...

Não me parece que Mário Crespo tenha seguido as posições da Opus Dei. Afinal não temos o direito a estar contra o casamento homossexual, ou a eutanásia? Neste último caso existem muitos conceitos misturados, nem tudo é eutan´´asia.

Planetas - Bruno disse...

Claro que sim António, mas convenhamos que o artigo não é propriamente um manifesto à tolerância! Esconde, atrás da defesa dos valores tradicionais mais um ataque velado às medidas do governo, independentemente do seu significado.

Anónimo disse...

Cada qual vê o que quer ver nas palavras quer foram ditas. Quanto a mim penso que existem assuntos mais importantes para o governo resolver do que estes mas, actuo com o que o Mário Crespo diz. Paulo

Anónimo disse...

Gosto particularmente de como Mário Crespo se indigna contra o que considera como "identidade específica do único mecanismo na sociedade organizada que protege a procriação, e se institui a legalidade da destruição da vida"...por esta ordem de ideias o casamento é somente um mecanismo que serve a procriação, e a eutanásia um mecanismo de "exterminar" a vida de indivíduos "procriantes"...

FORA QUAISQUER SENTIMENTOS (que por acaso nos distingue dos diversos animais) VIVA A PROCRIAÇÃO!!

SM :)

Juanito Ratón disse...

É engraçado ouvir histórias de protectores de valores tradicionais que se dirigem bastantes vezes à Rua da Escola Politécnica. Certamente para distribuir panfletos sobre o casamento e a procriação... a preço reduzido. :)