quinta-feira, 7 de maio de 2009

Daqui não saio, daqui ninguém me tira


As diferenças entre um deposito e uma aplicação parecem ter seguido o mesmo caminho dos muitos milhões que "desapareceram" com a crise. Ainda assim, é irónico que o Sr. Rendeiro (diz que se parecia com o sr. Madoff) esteja de pantufas a assistir tranquilamente ao desespero dos seus ex-clientes, que se vêm obrigados a adoptar medidas mais ao estilo de pensionistas ou trabalhadores em regime de lay-off, do que propriamente clientes do Banco Privado.

4 comentários:

Anónimo disse...

Provavelmente muitos destes contestatários, foram traídas pela ganância de ganhar muito dinheiro com pouco trabalho.
Quem vai jogar ao casino, arrisca-se a perder. Foi o que aconteceu.
Acredito que tenha havido ignorantes que cairam na esparrela. Outros, porém, sabiam ao que íam. Caíram no conto do vigário.
Acho que se deve apurar cliente por cliente para saber quem foi enganado ou quem sabia aquilo que poderia acontecer.

DAR DINHEIRO A QUEM PERDEU NO CASINIO, NÃO!
Ricardo Ferreira

Planetas - Bruno disse...

Caro Ricardo,
Concordo na generalidade, o problema é a posição ingrata em que a administração do banco/governo se encontra de separar o trigo do joio. Seguramente vamos ouvir muito ruído à volta deste assunto.

Anónimo disse...

Não vale a pena arriscar vidas quando o naufrago não tem hipotese de sobreviver.
Deixar afundar o BPP. Não devem ser os contribuintes a pagar as festanças destes cavalheiros.

Carlos Santos disse...

Caro Bruno,

Pedia-lhe que visse este link sobre 2 conferências em eco-consumo e comércio justo.
http://ovalordasideias.blogspot.com/2009/05/ciclo-comercio-justo-e-eco-consumo.html
Se achar adequado pedia-lhe que fizesse um post em que divulgasse o link. Noutro caso, poderia copiar o meu texto e colá-lo linkando para o blog de origem. Acredito que estas causa sejam também relevantes para si.
Carlos Santos