terça-feira, 21 de abril de 2009

O Binómio de ouro

Considerando o facto de Sócrates e Cavaco se encontrarem semanalmente para discutir aspectos sobre o estado do Pais, não creio que as últimas declarações de Cavaco não tenham sido anteriormente transmitidas no âmbito das referidas reuniões. Cavaco dá um passo em frente e manifesta publicamente as suas diferenças com o governo de Sócrates, cujas consequências são ainda de difícil previsibilidade para ambos.
Se por um lado Sócrates atravessa um período difícil, não é menos certo que, provavelmente levará o melhor da situação. Cavaco não foi eleito para governar, a sua Magistratura, ao contrário do que tem sido dito, não é, nem pode ser exercida como se o cargo de 1º Ministro lhe fosse subalternizado. A cada um compete desempenhar funções distintas, de Cavaco espera-se que seja um garante da estabilidade democrática, um elemento aglutinador de esforços à margem de todas as diferenças politicas.
De Sócrates, espera-se que cumpra o seu mandato nos termos em que foi escolhido pela maioria dos votos, espera-se que o faça independentemente da falta de concordância do Presidente da Republica sobre assuntos considerados relevantes para o País .
Não é menos certo que ambos serão julgados pelo seu desempenho e é aí que a porca torce o rabo. Resta saber se Cavaco Silva está disposto a ocupar o espaço político da oposição em geral e do PSD em particular, dando o mote politico para os combates eleitorais que se avizinham, sob pena de, in extremis, comprometer a sua reeleição.
Sócrates também terá de ter em conta que a generalidade da população espera que as mais altas figuras do País se entendam sobre os principais assuntos que tanto impacto tem sobre os Portugueses, sobre tudo com a crise que tanto atormenta os Portugueses.
Uma coisa é certa, se Sócrates chegar ao fim do ano com uma vitória sem renovar a maioria e após ter combatido politicamente MFL e Cavaco, estaremos perante um nado morto, um Governo condenado a desaparecer.
As cartas estão lançadas, vamos aguardar pelo River.