terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

Mario de Nostradamus Crespo

Aceitei o desafio que me lançou um querido e estimado amigo do Viela do Fado e vou colocar o artigo de Mário Crespo no Blog.



Está bem... façamos de conta
Façamos de conta que nada aconteceu no Freeport. Que não houve invulgaridades no processo de licenciamento e que despachos ministeriais a três dias do fim de um governo são coisa normal. Que não houve tios e primos a falar para sobrinhas e sobrinhos e a referir montantes de milhões (contos, libras, euros?). Façamos de conta que a Universidade que licenciou José Sócrates não está fechada no meio de um caso de polícia com arguidos e tudo.
Façamos de conta que José Sócrates sabe mesmo falar Inglês. Façamos de conta que é de aceitar a tese do professor Freitas do Amaral de que, pelo que sabe, no Freeport está tudo bem e é em termos quid juris irrepreensível. Façamos de conta que aceitamos o mestrado em Gestão com que na mesma entrevista Freitas do Amaral distinguiu o primeiro-ministro e façamos de conta que não é absurdo colocá-lo numa das "melhores posições no Mundo" para enfrentar a crise devido aos prodígios académicos que Freitas do Amaral lhe reconheceu. Façamos de conta que, como o afirma o professor Correia de Campos, tudo isto não passa de uma invenção dos média. Façamos de conta que o "Magalhães" é a sério e que nunca houve alunos/figurantes contratados para encenar acções de propaganda do Governo sobre a educação. Façamos de conta que a OCDE se pronunciou sobre a educação em Portugal considerando-a do melhor que há no Mundo. Façamos de conta que Jorge Coelho nunca disse que "quem se mete com o PS leva". Façamos de conta que Augusto Santos Silva nunca disse que do que gostava mesmo era de "malhar na Direita" (acho que Klaus Barbie disse o mesmo da Esquerda). Façamos de conta que o director do Sol não declarou que teve pressões e ameaças de represálias económicas se publicasse reportagens sobre o Freeport. Façamos de conta que o ministro da Presidência Pedro Silva Pereira não me telefonou a tentar saber por "onde é que eu ia começar" a entrevista que lhe fiz sobre o Freeport e não me voltou a telefonar pouco antes da entrevista a dizer que queria ser tratado por ministro e sem confianças de natureza pessoal. Façamos de conta que Edmundo Pedro não está preocupado com a "falta de liberdade". E Manuel Alegre também. Façamos de conta que não é infinitamente ridículo e perverso comparar o Caso Freeport ao Caso Dreyfus. Façamos de conta que não aconteceu nada com o professor Charrua e que não houve indagações da Polícia antes de manifestações legais de professores. Façamos de conta que é normal a sequência de entrevistas do Ministério Público e são normais e de boa prática democrática as declarações do procurador-geral da República. Façamos de conta que não há SIS. Façamos de conta que o presidente da República não chamou o PGR sobre o Freeport e quando disse que isto era assunto de Estado não queria dizer nada disso. Façamos de conta que esta democracia está a funcionar e votemos. Votemos, já que temos a valsa começada, e o nada há-de acabar-se como todas as coisas. Votemos Chaves, Mugabe, Castro, Eduardo dos Santos, Kabila ou o que quer que seja. Votemos por unanimidade porque de facto não interessa. A continuar assim, é só a fazer de conta que votamos.
.
Notas do Plagiador:
Mário Crespo foi feliz ao conseguir agregar num único texto um sem fim de questões que, por variadíssimas razões, não foram ainda devidamente esclarecidas para o comum dos mortais, seja pela sua natureza, complexidade ou mesmo porque simplesmente não tem resposta porque partem de falsas premissas. Contudo, há uma delas que me desperta especial interesse, a pretensa conversa telefónica do ministro (cargo referido minusculamente pelo autor) da Presidência Pedro Silva Pereira. Ora vejamos, assumindo que os factos são fiáveis, vou ser atrevidote e pedir emprestado o estilo de Mário Crespo para dizer o seguinte:
Façamos de conta que Silva Pereira foi sempre um entrevistado fácil e complacente com Mário Crespo e que a entrevista sobre o Freeport lhe correu de feição. Façamos de conta que o teor das conversas no âmbito do exercício do jornalismo não são tendencialmente confidenciais e que não é normal que um Ministro queira ser tratado sem confianças pessoais. Façamos de conta que Mário Crespo divulgou o teor do telefonema com Ministro logo no inicio da entrevista, enfim, façamos de conta que Mário Crespo acredita em tudo aquilo que escreve nesta peça e façamos de conta de que ele não desejaria que todas as "suspeitas" que pairam sobre este Governo fossem confirmadas, de preferência num qualquer canal da concorrência pelas 9:00PM.

2 comentários:

Viela do Fado disse...

O meu amigo se não é politico "encartado" e profissional, imita-os bem... porque com o jeito habitual dos politicos comenta o acessório e esquece o essencial... a sua preocupação por escrever ministro ( tal como eu escrevo ) com letra minuscula...é genial... mas o meu amigo ainda acha que há ministros maiusculos...? E o telefonema do ministro a saber por onde ia começar a entrevista, sobre o Freeport, a si não lhe diz nada ? Será que o meu amigo é dos que concorda com entrevistas fabricadas e pré-combinadas ? Isso não era próprio dos politik com K ?
Creio que o meu amigo irá rever o seu comentário e fazer outro mais isento e menos faccioso, porque ao fazer este comentário, o meu amigo dá a conhecer o "clube" a que pertence... e quando eu ler o seu novo comentário, que será de certeza mais justo,então eu deixar-lhe-ei um meu comentário a dar-lhe os parabéns. Combinado ?
Um abraço
Zé da Viela

Planetas - Bruno disse...

Caro Viela, respeito o seu ponto de vista apesar de não partilhar a sua opinião, relativamente à justeza dos meus posts, ou falta dela, não lhe posso garantir que esteja à altura das suas expectativas, até porque este espaço não pretende ser inócuo, analítico ou sequer jornalístico, apenas e só um repositório de opiniões pessoais sobre a actualidade. E não, apesar dos meus esforços ainda não fui premiado com lugar ao sol...a ver vamos!
Abraço